Roberto Rocha diz que Flávio Dino quer usar PSB como aluguel ‘camarada’

Roberto Rocha diz que Flávio Dino quer usar PSB como aluguel ‘camarada’

O senador Roberto Rocha (PSB-MA), afirmou nesta última terça-feira (22), em entrevista ao programa NaHora,  que a escolha do deputado estadual Bira do Pindaré para comandar o PSB na capital maranhense é uma tentativa desesperada do governador Flávio Dino (PCdoB) de tirar o partido das mãos de alguém que pode disputar com ele as eleições do ano que vem. O comentário foi feito após o senador responder a questionamento sobre os motivos que levaram a comissão provisória presidida pelo filho dele, Roberto Júnior, ter sido destituída.

“Quando a Comissão é provisória, ela muda. O presidente estadual que é o prefeito de Timon, Luciano Leitoa, entendeu de fazer uma intervenção, mas isso não me trás nenhuma preocupação. As eleições do próximo ano serão eleições estadual e nacional. E quem conduzirá o processo da tomada de decisões do PSB, não é nem sequer a direção estadual, quanto mais uma direção municipal. Quem vai definir o processo da tomada de decisão do PSB e de qualquer outro partido, é a direção nacional (…). Quem assistiu ontem a entrevista daquele que poderá ser o próximo presidente nacional do partido, sabe que isso aí que eles estão fazendo está totalmente fora de sintonia da realidade. Então eu não estou preocupado com isso. Eu acho que o tempo é o senhor da razão. Isso só revela, lamentavelmente, a tentativa desesperada do governador do estado de tentar tomar o partido de alguém que pode disputar com ele as eleições”, disse Rocha, referindo-se ao fato de que pode retomar as rédeas do partido no Maranhão com a escolha do vice-governador de São Paulo, Márcio França.

Roberto Rocha, que é relator da CPI do BNDES, foi convidado de hoje do programa jornalístico da Rádio 92.3 FM, para falar sobre o plano de trabalho da comissão. Ele esclareceu que as investigações não estão focadas exclusivamente nas empresas do grupo J&F, de Joesley Batista, porque analisará os financiamentos concedidos nos últimos 20 anos para empresas atuarem no exterior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *