“O povo não exigiu reforma política, quer é melhor qualidade de vida ”,diz vereador Francisco Carvalho

“O povo não exigiu reforma política, quer é melhor qualidade de vida ”,diz vereador Francisco Carvalho

No exercício do oitavo  mandato e depois de ter sido presidente da Câmara Municipal de São Luís por três vezes consecutivas, de 1994 a 2000, o vereador Francisco Carvalho, presidente estadual do PSL, é considerado uma das “raposas” da política maranhense. Seu colega de parlamento, Francisco Chaguinhas (PSB) costuma dizer que ele é um dos últimos alquimistas políticos do Estado.

Francisco Carvalho tem uma trajetória interessante no Legislativo Ludovicense. Filho de José Mário de Araújo Carvalho, que foi deputado estadual por quatro

legislaturas e depois vereador, herdou-lhe o espólio político quando este faleceu em meados da década de 1970, por influência do ex-governador Luiz Rocha e o ex-deputado José Bento Nogueira Neves (ambos falecidos) e de outras lideranças do período.

Naquela época, dois parlamentares se destacavam com ações na zona rural, área de difícil acesso. José Mário Carvalho e Evandro Bessa de Lima, que foi presidente da Câmara Municipal. Após a morte do pai, Carvalho passou a dominar a cena tanto na Zona Rural I como na Zona Rural 2.

Sua serenidade o faz com que sempre seja chamado para buscar alternativas para crises e é um exemplo para jovens vereadores. Sob a presidência dele, em 1995, a Câmara de São Luis fez um grande movimento para que a refinaria de petróleo fosse instalada em São Luís.

Em 2009, protagonizou um encontro de secretários estaduais e municipais, no Cruzeiro de Santa Bárbara, em busca de recursos para serem aplicados na infraestrutura daquela localidade. Convalescendo de uma cirurgia para colocação de quatro stents, conversou rapidamente em casa sobre os mais variados assuntos.

Se diz indignado quando ouve político falar que o povo estaria revoltado como lento andamento da reforma política. Para ele, o povo quer é melhoria da qualidade de vida e sequer se mobiliza sobre esse assunto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *